sexta-feira, julho 17, 2009

Mais um bom sinal

Ontem por volta das 14:30, entre a Pedra do Urso e o sanatório, vi seis aves de rapina (pareceram-me águias-calçadas) voando em círculos.
Infelizmente, não trazia a câmara.

Já vi várias referências a um aumento bastante generalizado do número de indivíduos de quase todas as espécies de rapina nos últimoas anos. Será esta observação um sinal dessa tendência?

Eu fiz ontem esta observação, no ano passado um amigo disse-me que tinha encontrado um ninho de águias-calçadas na zona a submergir pela nova barragem das Penhas da Saúde, a construir na vizinhança desta zona... Em contrapartida, o estudo de impacto ambiental da dita barragem (comentei o resumo não técnico aqui e a declaração de impacto ambiental aqui) não faz referência a uma única espécie vegetal ou animal concreta, muito menos às águias-calçadas. São contrastes que dão pistas para o valor do dito estudo...

5 comentários:

Anónimo disse...

Ainda bem que vai havendo bons sinais em algumas áreas do PNSE.
Ainda hoje consegui fotografar o que julgo ser um "Pernis apivorus",vulgo Falcão-abelheiro.Só espero a confirmação do Dr. José Conde,a quem enviei a foto,para o colocar no blogue.Bem que iam recuperando,mas não deixam.
O ataque ao PNSE continua com a colaboração do ICNB.Temos um ofício do Senhor Secretário de Estado do Ambiente com a seguinte opinião da Srª. Vice-Presidente do ICNB:"Também considera este Instituto que a actividade cinegética é conciliável com as acções de cariz educacional e científico realizadas pela Fundação Trepadeira Azul".
Resumindo,podem andar as crianças,e adultos,a observar as aves e as borboletas e uns quantos fulanos aos tiros à volta,devemos considerar um desporto radical com adrenalina ao máximo(a observação da natureza claro),podemos andar a tentar fotografar esta ou aquela ave ou borboleta e uns fulanos aos tiros às mesmas.Como sabem são necessárias,por vezes,centenas de tentativas e toneladas de paciência mesmo sem perturbações.Deve ser uma Senhora com muito sentido de humor.Negro é claro.
mário martins

ljma disse...

Há quem diga que a actividade cinegética ordenada ajuda a manter a biodiversidade. A lógica é que uma gestão razoável do território e das espécies cinegéticas, feita com o objectivo de permitir a continuação da caça, tem como efeito secundário uma melhoria da saúde dos ecossistemas.
Considero a pessoa que me disse isto (que não é caçador) um ambientalista dos mais informados e que mais profundamente reflecte sobre os problemas da conservação (dos que eu conheço, pelo menos). Eu admito que assim seja, mas, mesmo assim...

80% do território não é área protegida; que se cace nesses 80%, vá lá, vá lá. Mas numa área protegida, acho mal. Ou então o se que quer dizer com "protegida"? Protegida de quê e para quê?

trepadeira disse...

Não conheço um único caso em que a caça tenha trazido qualquer benefício à biodiversidade.Temos é conhecimento de codorniz japonesa por todos os lados,resultado de largadas e repovoamentos,com o quase desaparcimento da autóctone que,também já muito desbastada pela caça,está a dar sinais preocupantes de deixar de migrar;de perdiz de pata vermelha com penas brancas nas asas fruto de cruzamento com a turca.Esta cria mais e mais vezes,mesmo em cativeiro.
Caça ordenada:
Para as áreas ditas protegidas foi um desastre.Passamos a explicar-era proibido caçar as migratórias,no regime geral,em todas as áreas protegidas.Passando ao regime dito ordenado passa a ser possível caçar.Assim temos pequenas zonas de olival,no PNSE,onde,em cada dia de caça se disparam vinte ou trinta mil tiros,aos tordos,deixando no solo cerca de uma tonelada de chumbo,para além de mercúrio dos fulminantes e outros poluentes.
Para que serviu a tal caça ordenada?
Será que o chumbo dos caçadores dessas zonas de caça é mais ecológico?
Sobre o chumbo nada mais acrescentaremos ao que temos escrito na trepadeira onde estão os link de acesso aos estudos do Sr. Professor Raimon Guitart,titular da cadeira de toxicologia da Universidade Autónoma de Barcelona.(Com todo o gosto os deixaria aqui mas confesso não saber como).
Claro que,mesmo ao abrigo da lei da caça-Dec-Lei 201/2005 de 24 de Novembro-não seria possível caçar em todo o Vale do Mondego mas,como reconhece o DN de hoje pela boca de alguém da chefia da PSP,a lei das armas foi alterada,POR PRESSÃO DOS CAÇADORES,de forma a poderem confraternizar!ou seja já podem beber à vontade sem serem penalizados,quando sabemos que a maior parte dos crimes é praticado com armas de caça!Porque não também deixar caçar no PNSE mesmo que contra a lei?
Concordo com a opinião de um bom amigo-deixá-los caçar desde que lhe tirem as armas.Aí sim,estavam integrados e não causariam grande mal à biodiversidade.
mário martins

Rotiv disse...

Bom sinal da natureza e de quem a protege ;)
Abraços

rui henrique disse...

Há duas semanas na zona da Nave de Santo António observei 2 grifos a voar muito baixo. Gostei de ver.

Algarvear a Serra da Estrela? Não, obrigado!