quarta-feira, julho 18, 2007

Paisagem natural, últimos dias

Uma breve mas eloquente referência ao parque eólico da Serra de Alvoaça, no Obrar.
Tenho pena de não ter percorrido esta cumeada, como cheguei a planear, antes da construção do parque. Agora, já é tarde.

2 comentários:

José Veloso disse...

Obrigado Cântaro por mais esta denúncia.

Reparem bem na fotografia!

Já viram as ruas (ou serão avenidas?) magníficas que esventram as nossas cumeadas? E dizem os promotores deste fantástico negócio que são simples vias para manutenção!!! Na serra da Freita já existem lancis para os passeios... Se calhar não vai demorar muito a assistirmos ao aparecimento de "aldeias de montanha" por estes lados. Independentemente da eficácia desta energia dita ecológica, uma coisa já é certa: os carros, o lixo e a pressão humana já são uma constante nestas paragens; ah, mas na Galiza, os caminhos são estradões estreitos e de difícil acesso, inclusívé interditos. Como estão atrasados os espanhóis comparados com os dinâmicos empresários ambientalistas portugueses... A sério, dá pena viver nesta terra e assistir a tão rápida quanto eficaz destruição, com o povão a aplaudir...
Um abraço e parabéns
JV

Eduardo disse...

Caro José,

Fiz essa cumeada em 1999 desde as Pedras Lavradas (cruzamento com a casa isolada) até ao maciço central. O parque eólico felizmente acaba antes duma linda zona escarpada povoada por rapinas entre as quais o falcão peregrino. O interface entre o xisto da Alvoaça e o granito da "muralha" é tão nítido a ponto de se poder estar com um pé numa fraga e outro num rebolo! Este interface ocorre na portela da Alvoaça.
Parabéns pelo trabalho desenvolvido!
Abraço
PS. Se puder passe no meu blog
penhadoabutre

Algarvear a Serra da Estrela? Não, obrigado!