terça-feira, abril 24, 2007

Mais estudos!

Como se pode ler nesta notícia do Diário XXI (referida também pela Kaminhos), os concelhos com território no interior do Parque Natural da Serra da Estrela assinaram um "acordo com a Escola de Gestão do Porto para concorrerem em conjunto a fundos do QREN". O acordo prevê a realização de um estudo, coordenado pelo economista Daniel Bessa, "relativo às oportunidades e caminhos de valorização desta região".

O Cântaro Zangado acha muito bem que se façam estudos. Mas também gostava de perguntar se alguma coisa se aproveita dos que se já se fizeram. Por exemplo, o que resultou do Plano Estratégico de Turismo (PETUR), encomendado à Universidade da Beira Interior pelos municípios que integram a Região de Turismo da Serra da Estrela (ou seja, mais ou menos, os mesmos)? Recordo que as conclusões desse estudo foram apresentadas em meados de 2006. Não está propriamente desactualizado, convenhamos...

Mas pelo que se lê na notícia, o que se pretende com o estudo é reforçar as candidaturas que se vierem a fazer para financiamento pelo Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN). Ou seja, não será bem, bem um estudo. Diria que é antes uma estratégia comum para a submissão de projectos regionais a este quadro de apoios. Em princípio, é uma coisa boa, portanto. Por outro lado, sabemos bem o que os protagonistas em foco defendem para a Serra. O presidente da Câmara Municipal da Guarda deseja a chamada estrada Verde (irão pintar dessa cor o asfalto?) com que se pretende rasgar o vale do alto Mondego. Deseja-a ao ponto de começar trabalhos num troço da futura via, ainda antes de se concluirem os estudos porque "é o primeiro da estrada verde e qualquer obra, depois de se começar, tem de ser concluída". Não é a tradiconal política dos factos consumados? Enfim, adiante. Na defesa desse objectivo é apoiado pelo presidente da Câmara de Manteigas. O da Covilhã tem uma visão mais ambiciosa: transformar as Penhas da Saúde numa "minicidade", capaz de "concorrer em termos de turismo de montanha com outras da Europa, nas cidades dos maciços mais conhecidos, como os Alpes ou os Pirinéus" e acha que o que é preciso para atingir tal objectivo é a construção de centenas de apartamentos, de um casino, de centros comerciais, de um centro de estágios desportivos, bem como de uma telecabine para despachar turistas para a Torre. Veja-se a balbúrdia novo-rica que as Penhas já são actualmente, reafirmada pelas obras que a Câmara encetou antes das últimas autárquicas, para se ter uma ideia do que este autarca tem em mente. O presidente da Câmara Municipal de Seia tem afirmado que haja o que houver na Serra, a estrada nacional que atravessa a Torre (ou seja, o turismo das hordas poluidoras nos fins de semana de neve) permanecerá uma prioridade da autarquia que dirige. (Devo aqui dizer que acho que esta autarquia, com o Centro de Interpretação da Serra da Estrela, tem tido um papel comparativamente muito positivo nas questões do ambiente e do seu aproveitamento sustentável.). O presidente da Câmara de Gouveia faz aprovar reservas municipais de caça, com pareceres "passados" por órgãos que nunca chegam a reunir!

Porque os discursos oficiais sobre a serra da Estrela são o que são, porque os projectos que se anunciam são o que são, tenho os maiores receios relativamente aos reais objectivos destes protagonistas com este estudo. Falemos claro: tenho muito medo que os projectos desta gente venham a ser aprovados e financiados, ainda por cima com dinheiro que sai, também, dos meus bolsos.

2 comentários:

al cardoso disse...

Sabe que com esta coisa de estudos, sempre se vao gastando umas verbitas, se calhar para encher as algibeiras dos amigos!!!

Feliz feriado, e um abraco do lado Norte da nossa "Serra".

ljma disse...

Pos é, al cardoso... Ou melhor, não sei se é, mas lá que parece, parece...

Um abraço também! Feliz (final de) 25/4!

Algarvear a Serra da Estrela? Não, obrigado!