domingo, dezembro 03, 2006

NÃO!

Se a minimal urbanização que acabo de discutir no post anterior já é um escândalo, o que dizer do que se anuncia nesta notícia do Guarda Online? Quatrocentos quartos entre a Varanda dos Carqueijais e o edifício do sanatório, sugeriu um responsável do grupo Sheraton numa reunião com Artur Costa Pais. E a Turistrela acha que o encontro que "correu muito bem". Muito bem?!

Caro leitor, eu sei que os ambientalistas são vistos como alarmistas. Apesar de continuar sem saber se sou ou não ambientalista, reconheço que tenho desempenhado esse papel aqui no Cântaro Zangado. Acho perfeitamente natural que, face ao mote do blog ("Algarvear a Serra da Estrela? Não, obrigado!") o caro leitor encolha os ombros e pense "Eeh, que exagero! Nunca chegaremos a isso! O tempo dessas poucas vergonhas já lá vai, e é areia a mais para a camioneta da Turistrela...".
Mas veja bem, caro leitor, o que esta gente anda a negociar nas nossas costas! Junte a isto a mini-cidade com que o mini-autarca (que outro nome se pode dar a alguém que planeia um tal mega-crime?) edil da Covilhã sonha para as Penhas da Saúde. Faça-se tudo isto: teremos um subúrbio de segundas residências e hotéis, quase contínuo desde a Varanda dos Carqueijais até aos Piornos! Não há dinheiro? Ah,vai-se buscar a parcerias com multinacionais, a programas estratégicos e tretas que tais. Se não chegar para tudo, chega para começar o estaleiro, e depois logo se verá...

Diga-me, caro leitor: podemos permitir isto? Podemos ficar calados face a isto?

3 comentários:

Rui Peixeiro disse...

Se eu quiser adquirir uma "palheiro" no meio de uma quintinha qualquer "abandonada", ampliá-lo um pouco e fazer dele a minha casa, simplesmente não posso, porque o mais certo é estar dentro da Reserva Agrícola Nacional ou da ainda mais restritiva Reserva Ecológica Nacional.

Agora pergunto, como é que estes srs pensam, querem, desenvolvem projectos e muitas vezes conseguem, construir, por exemplo, 39 moradias (ou 400 quartos como já se fala), num Parque Natural.

Não deveriam ser eles os primeiros a querer proteger este pequeno recanto? Sim, pequeno... porque para mim a Serra é bem pequena, e com o que já está destruído, pouco sobra...

al cardoso disse...

Faco ardentes votos que ainda haja gente com algum decoro e sentido comum, para acabar com mais estes projectos para a "nossa Serra".

ljma disse...

É também essa a impressão que tenho, Rui. A serra é, de facto, pequena. E as estradas que se têm rasgado por ela a fora, bem como as que ainda se projectam (estrada "Verde" da Guarda para o Maciço Central, estrada entre Manteigas e Piornos pela Serra de Baixo, só para dar dois exemplos), fazem-na mais pequena ainda. Já para não dizer nada dos projectos hoteleiros na Torre, nos Piornos, entre a Varanda dos Carqueijais e o sanatório (desses sei de notícias nos jornais) ou no Vale do Rossim, Penhas Douradas, Lagoa Comprida (destes só ouvi rumores). Tudo isto faz diminuir a dimensão com que percebemos a serra, diminui a serra aos nossos olhos. Por isso afirmo que esta lógica de desenvolvimento está a diminuir a Serra. Em vez de nos erguermos física e psicologicamente à altura do que o imaginário colectivo da Serra representa, "desenvolvemo-la" diminuindo-a, domesticando-a e banalizando-a até aos níveis do nosso comodismo, da nossa mais abjecta mesquinhez. Parece-me que, mesmo em termos turísticos, isto é um tiro no pé.
Al, agradeço os seus votos, e o apoio que representam. Bem haja.

Algarvear a Serra da Estrela? Não, obrigado!