quinta-feira, setembro 14, 2006

O "monopólio"

Disse há dias que ia explicar melhor o que acho sobre a concessão exclusiva do turismo e do desporto na Serra da Estrela, atribuída ad eternum (ou quase) à Turistrela. Cá vai.
Eu não gosto do que a Turistrela anda a fazer e a planear para a Serra, com o alto patrocínio da Região de Turismo. Acho que é uma perspectiva foleira, parola, ultrapassada, insustentável, terrível para o ambiente e a paisagem, do que deve ser o turismo numa região natural de montanha.
No entanto, essa perspectiva só se impôs como doutrina dominante aqui na região porque diversos organismos que deviam pugnar pela defesa do valor paisagístico e ambiental da Serra da Estrela o permitem. Que organismos são esses e porque razão deviam ter outra atitude? A Região de Turismo, porque a serra urbanizada, asfaltada, ajardinada, degradada, não atrai ninguém; o Parque Natural da Serra da Estrela, nem vou explicar porquê; as autarquias, pelas mesmas razões que a Região de Turismo e porque os seus gabinetes de arquitectura têm a obrigação de impedir certos atropelos urbanísticos como o que se está a verificar nas Penhas da Saúde; os meios de comunicação social, porque têm a obrigação de informar do "lado obscuro" de cada milhão de euros de investimento que anunciam em parangona. Deixo para o fim a entidade que mais responsabilidades tem no meio disto tudo, que somos nós, a população, como colectivo. Porque, lembremo-nos, vivemos num estado de direito democrático. A qualidade deste sistema depende principalmente da qualidade da participação cívica dos seus cidadãos. Em democracia, o povo é a fonte do poder. Só não é se disso abdicar. A democracia começa a morrer aí.
Voltemos ao assunto. Porque é que não sou entusiasticamente a favor da interrupção da concessão da Turistrela? Porque, não se mudando mais nada, as entidades que acabei de enumerar poderão ser tão complacentes com os atropelos ambientais quando houver muitas empresas a actuar como são agora que só há uma. Se isso acontecer, será pior a emenda que o soneto.
Em resumo, acho que o pior na serra não é que uma empresa detenha o monopólio do turismo, o pior é que as autoridades dão a essa empresa carta branca para fazer o que entende, e ainda ajudam quando são precisos uns apoios públicos. Enquanto for esta a realidade, acho que a questão do monopólio é uma questão menor.

Do que eu gostava, mesmo, era de ver isto a mudar de rumo, com monopólio ou sem monopólio. Ah, que bom que havia de ser aplaudir a Turistrela por patrocionar esforços de florestação, por dispôr de guias (incluindo biólogos conhecedores dos valores naturais da Serra) para passeios de interpretação, por oferecer actividades de escalada, montanhismo, BTT, canoagem, esqui de randonée, por organizar roteiros para passeios a pé de longa duração, etc, etc, etc... Vocês sabem, como se faz nas outras montanhas da Europa... Que bom que seria poder felicitar a Região de Turismo por apoiar o turismo ambiental e desportivo ou, por exemplo, por se esforçar para fazer reviver a rota das Aldeias Históricas... Ou ver as câmaras a fazer o que lhes compete em termos da autorização de certos projectos de obras... Ou notar o PNSE tão vivinho da silva, tão activo como quando foi criado!
Bastava uma migalha do que acabei de referir para calar o Cântaro Zangado... Bastava um vestígio de uma sombra de um indício, subtil e fugaz que fosse, de que alguém se rala com o ambiente e a paisagem da Serra, de que alguém faz alguma coisa para os ver protegidos...

6 comentários:

mg disse...

Na muche! Está tudo dito! Este era o texto que finalmente esperava. Simples mas directo. O descrito nessas palavras é o que eu, como amante da nossa querida Serra da Estrela, gostaria de ver concretizado na realidade. Seria tão bom...ainda tenho a esperança que um dia as mentalidade mudem e que possamos ver tudo isto que tanto queremos ver.

Miguel Grillo

Anónimo disse...

Para quando a manifestação e respectiva conferência de imprensa, anunciando esta perspectiva do que é um desenvolvimento de qualidade no turismo da serra em horário nobre?
Para desmacarar turisrelas e restantes patos bravos de uma vez por todas.
Ricardo

Frank disse...

http://infordesporto.sapo.pt/Informacao/Modalidades/Ciclismo/noticiaciclismo_cicfreecampbikepark_130906_324190.asp

Anónimo disse...

"Portanto a data de 30 e 1 de Outubro de 2006 é uma data a sublinhar, quanto ás inscrições são gratuitas sendo só necessário cada particpante adquirir o devido forfait diario do BIKE PARK."

se este é o conceito de grátis vamos pelo bom caminho... imaginem que se tivesse que pagar =)

Cova Juliana disse...

Muitos parabéns por este texto ;)
É exactamente o mesmo pensamento que eu tenho, as mesmas instituiçoes e personalidades...
Acho que este texto podia ir como carta para os jornais locais, para ver se desperta as mentalidades das pessoas em relaçao à serra e suas potencialidades.
Sinto que as pessoas da Covilha e outras cidades/vilas que "vivem" nas faldas da Serra da Estrela, estao cada vez mais de costas voltadas para a mesma.
Há que mudar isso!

ljma disse...

A todos: obrigado pelos cumprimentos.
Ao Ricardo: faço o que sinto que posso. Talvez consigamos, todos, fazer mais num futuro não muito distante.
Frank e anónimo: e brincam os tipos do gato fedorento na campanha da pt, que "está bem, isto é à borla, mas podia ser mais barato". Eles nem sonham que, aqui na serra, as coisas podem ser bem mais baratas do que de graça...
cova juliana: nem mais, há que mudar isso!

Algarvear a Serra da Estrela? Não, obrigado!