segunda-feira, agosto 31, 2009

Um pinheirinho está a nascer...

... Entre o asfalto e o passeio de uma rua de algo a que chamam "aldeia de montanha" e que há já alguns anos dizem que "está a nascer aqui"...

Por todas as razões, oxalá que seja o pinheirinho, e não a dita coisa, a nascer aqui.

5 comentários:

Pedro amaro disse...

Boa noite,
Esta imagem ilustra bem a luta entre o Homem e a natureza,provávelmente nos próximos tempos o Homem ganha, mas todos sabemos que a continuarmos com atitudes egocêntricas tudo será diferente.
Abraço

trepadeira disse...

Esperamos que o pinheirinho não encontre patrão ou então,que patrão não encontre os pinheirinhos.
mário

José Pinto disse...

Tendo ocorrido em 31 de Agosto a comemoração mundial do BlogDay, venho comunicar que, pela sua qualidade, seleccionei o blogue "O Cântaro Zangado" para a indicação de 5 blogues a que eu tinha direito. Confira no meu blogue. Cumprimentos.
José Pinto

antonio disse...

É a força da Natureza que não se deixa vencer sem luta! E como dizia a minha avó até as pedras podem dar fruto desde que cultivadas com carinho.

ljma disse...

Caros Amigos, tenho andado ocupado, entre outras coisas, com uma discussão no post anterior, e por isso tenho estado ausente dos comentários a este post.

Pedro Amaro e António, concordo com o que ambos querem dizer, mas, ao mesmo tempo, gostava de dizer que aquilo a que me quis referir neste post não é propriamente a luta entre o Homem e a Natureza, mas antes a luta entre *alguns* homens (e mulheres) e *outros* homens (e mulheres), que tem a natureza como palco, ou como vítima acidental. Quando digo que "Por todas as razões, oxalá que seja o pinheirinho, e não a dita coisa, a nascer aqui", não é pela natureza (ou, mais especificamente, pelo dito pinheirinho) que falo, é por mim. Aquilo que se está a tentar fazer nascer no sítio onde estão as Penhas da Saúde, com a iluminação pública de néon cor de laranja, com as ruas asfaltadas, com os condomínios de apartamentos, com os planos de casino, de quatrocentas novas habitações, centro comercial, e sei lá mais o quê, é tão foleiro, tão rasca, tão suburbano, que será impossível gozar o local como eu sempre o gozei, como entendo que o local pode e deve ser gozado. O projecto é, nitidamente, o de algarvear as Penhas da Saúde e (descontando os seus promotores) não sei a quem possa interessar.
É por estas e por outras como estas que eu não sei se sou ambientalista. É que eu não falo pelo ambiente e pela natureza, eu falo por mim. Ou seja, não me venham dizer que "antes das florinhas estão as pessoas", porque o que eu entendo é que antes de mim e das pessoas como eu, estão outras pessoas que eu não conheço e que não sei porque é que hão-de estar antes de mim.

Trepadeira, nem mais. Felizmente, os patrões só reparam nestas minicidades, nestes passeios, nestes asfaltos e (em consequência disso tudo) nestes pinheirinhos nas vésperas de eleições. Pode ser que, desta vez, este pinheirinho escape...

José Pinto, muito obrigado pela distinção, que nos encheu de orgulho. Muito obrigado, e continuação do bom trabalho no Cabeça Web.

Algarvear a Serra da Estrela? Não, obrigado!