quarta-feira, dezembro 31, 2008

Como?!

Imagem roubada no Blog Cortes do Meio

Decobri no Blog Cortes do Meio a notícia da figura (clique para ampliar) publicada não sei em que jornal, nem em que data (suponho que não seja muito recente). Pelos vistos, os elementos da Assembleia de Freguesia das Cortes do Meio entendem unanimemente que o que é preciso para terem mais desenvolvimento e mais turismo (turismo em espaço rural, ainda por cima!) é uma estrada de alcatrão para as Penhas da Saúde!

Não é uma atitude muito original, na nossa região. É por causa da filosofia onde se insere essa atitude que temos o turismo que temos, que temos o desenvolvimento que temos.

Estamos no rumo certo, estamos de parabéns?

9 comentários:

Tiaguss disse...

Esta tudo louco!

Esta gente é rica e nem o sabe. Até custa ....

A serra está cheia destes tristes exemplos e mesmo assim há quem não veja e ache que uma simples estrada de alcatrão pela serra fora vem resolver todos os problemas.

Estas coisas entristecem-me sinceramente. Mudem de junta nas próximas eleições para o bem da vossa terra! Por favor ...

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

Sem dúvida que essa será mesmo a prioridade número um para as gentes das Cortes. Centros de Dia ou Lares para a 3ª Idade? Melhoria das escolas do 1º Ciclo, Pré-Primária ou Infantários? Espaços para os jovens passarem o tempo livre, em particular em tempo de férias? Apoio à criação do primeiro emprego e de negócios na freguesia? Melhoria das condições de habitabilidade para as casas de pessoas menos favorecidas?

Não, nada disso! Uma estrada alcatroada para as Penhas da Saúde é que é!
Vai ser uma revolução nas Cortes, vão chover investimentos, os turistas "de saco de plástico" deixarão de subir à Serra pela Covilhã para passar a fazê-lo pelo lado das Cortes, com a vantagem acrescida das "vistas" para o futuro paredão da barragem (um mimo de paisagem natural para turista de Lisboa apreciar!)...O próprio "SerraShopping" poderá ser deslocalizado para fazer face à avalanche de turistas que se adivinha.
Basta ver o que o recente asfaltamento de algumas estradas na Serra fez por algumas localidades vizinhas: um desenvolvimento tão grande que nem sequer é quantificável...

Haja juízo!

Espero apenas que esta seja mais uma daquelas ideias peregrinas e milagrosas que acabam no "caixote" dos projectos nunca concretizados.

É de admirar como é que não se propõe, igualmente, mais um teleférico?! Hoje, no "JF", li mais uma proposta do Presidente da CMC, num jantar homenagem em Unhais da Serra: um teleférico desta vila para a Serra!

Este assunto, o dos "teleféricos prometidos", dava um excelente texto para o "Cântaro"... Temos agora este de Unhais, o dos Piornos, o da Lagoa Comprida e até o de Alvoco da Serra, que existe apenas (em desenho) num decrépito cartaz numa das entradas da povoação (mais uma das delirantes promessas da Turistrela, tanto quanto recordo).


Esperemos que o novo ano seja um pouco mais benigno para os amantes da Serra.

Bom Ano.
Um abraço.

P.S. - Num recente texto, o autor do "Estrela no seu melhor" perguntava o que é que mudou no turismo da Estrela nos últimos 30 anos?
Tirando algumas iniciativas de mérito, curiosamente todas elas fora do Maciço Central, a única coisa que mudou foi a quantidade de plásticos que se abandona na Torre e o indescritível "centro comercial" com os seus esgotos que, não duvido, continuarão a correr a céu aberto.

JoãoM (Cortes do meio) disse...

Meu caro José,

esta notícia é bem recente, é de 31de Agosto de 2008: http://cortesdomeio.blogs.sapo.pt/65457.html

Esta é uma fixação antiga do actual (mas por pouco tempo, espero) presidente da Junta de Freguesia, o senhor Paulo Rodrigues.
As gentes de Cortes do Meio ainda não perceberam que o melhor que esta terra tem são as suas tradições, cultura, história e beleza natural. Os nossos autarcas vivem iludidos por um progresso de ferro e betão quando o verdadeiro progresso está mesmo debaixo dos seus narizes.

ljma disse...

João M, não são só as gentes das Cortes do Meio a sofrer dessa "doença". É uma doença muito generalizada, entre as classes mais altas e cultivadas como entre as mais modestas e de menores habilitações; entre as populações das freguesias rurais como entre as das urbanas.
Mas já vai sendo tempo de começarmos a analizar as coisas.
Veja-se a estrada de S. Bento, da Portela do Arão para a Lagoa Comprida. Que progresso é que dela veio a Loriga (e as discussões que tive pela internet com pessoas de Loriga por causa desta estrada)? Ou a estrada de S. Romão para o Coxaril: que turismo é que ela trás a S. Romão?

Mas a realidade é o que menos importa nestas "análises". Alcatrão é progresso, apesar do que se tem visto por toda a serra!

Turismo de montanha é que continuamos a não ter. Passeios pedestres, bicicletas, escalada, cavalos, (e gente para alugar e vender equipamento, para dar formação e enquadrar os turistas), pensões nas aldeias, observação e interpretação da natureza, disso nada. Nicles. E isso é que é o turismo de montanha em todo o lado até no Gerês! Quanto mais alcatrão tivermos na serra menos turismo a sério teremos na serra. Melhor ainda: quanto mais alcatrão houver em Cortes do Meio, menos turismo a sério haverá em Cortes do Meio.

Mas para desenvolver o turismo não basta ficar à espera que ele apareça ou que o traga D. Sebastião (nem que seja reencarnado na figura do Sr. Presidente da Câmara da Covilhã).

Não fazer nada é não avançar na direcção certa; mas alcatroar o vale é recuar, é avançar na direcção errada, é estragar.

Pedro, essa promessa do teleférico de Unhais é isso mesmo (e ainda bem!) volta, meia volta, o sr. presidente lembra-se daquilo. Oxalá assim continue. (Claro que era ainda melhor que ele começasse a falar de turismo a sério, mas há coisas que não podemos realisticamente esperar de certas pessoas...)

Bom ano de 2009 a todos! (Até aos elementos da assembleia de freguesia de Cortes do Meio, claro!)

ljma disse...

Só mais uma coisa: aquilo que considero o erro de confundir alcatrão, betão, artificialização com progresso e com desenvolvimento do turismo, que considero muito generalizado, atravessa também, parece-me, barreiras partidárias. Ou seja, não creio que neste ou naquele partido sejam mais ou menos representativos os que não incorrem desse erro.

Infelizmente, que o mundo seria mais simples se assim fosse... Pelo menos, seria-me muito mais fácil decidir em quem votar.

Anónimo disse...

O Senhor Presidente da Junta das Cortes, já aprendeu o discurso do betão e do alcatrão como o seu chefe de Emprego. Não percebem que o Presidente Paulo Rodrigues trabalha com Jorge Patrão que a única preocupação dele é betão e Turistrêla?
Será que tem algum interesse em tanta construção e em simultâneo em ser dominado pela Turistrêla?

* disse...

Bom Ano!
São os votos do Grémio da Estrela*

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
daniel disse...

Então, mas faz todo o sentido ter um acesso rápido à Serra...

Para se ir às compras ao centro comercial.

Vocês não têm mesmo visão nehuma, chiça! ;-)

Algarvear a Serra da Estrela? Não, obrigado!