quinta-feira, novembro 08, 2007

"Esqueçam os bio-combustíveis"

À esquerda: duas bétulas, bordo, castanheiro; à direita: outra bétula, carvalhos, pinheiros.
Artigo na New Scientist (Environment): Forget bio-fuels — burn oil and plant forests instead.

E, a propósito:

5 comentários:

FRANCISCO T PAIVA disse...

Apenas mais uma achega para examinar as virtudes das bio-eco-lógicas: http://obrar.blogspot.com/2007/07/bio-eco-lgicas.html
Abraço

Vasco disse...

Os biocombustíveis de certeza que não são a solução para substituir os combustíveis fósseis. E realmente a sua produção a partir de culturas que são necessárias para consumo alimentar poderá trazer graves consequ~encias e que já se começaram a verificar nos EUA, com o preço do milho a disparar nos mercados de commodities. No entanto poderão existir outras culturas que sejam mais vantajosas, nomeadamente no que concerne ao Biodiesel existem cuklturas pra além da soja e do girassol, falo da colza e do pinhão manso (jatropha curcas). Posso adiantar inclusive que aqui bem perto da Covilhã já foi feita uma pequena plantação de colza...vamos lá ver o resultado. Uma esperança para este sector é a investigação que existe e com bons resultados com produção de biodiesel a partir de algas... talvez aqui possa estar o futuro. Creio que tb ainda há muita inovação nesta área e talvez seja possível dentro de poucos anos produzir um combustível realmente verde!

Sadações mafiosas,

;)

Vasco disse...

http://www.economist.com/science/displaystory.cfm?story_id=9831182

ljma disse...

O título que escolhi para este post é infeliz. Não me agrada muito o plano de usar os biocombustíveis para substituir os combustíveis fósseis porque (1) os biocombustíveis são hidrocarbonetos também; a sua combustão liberta CO2. Se se mantiver o actual padrão de consumo de combustíveis (bio- ou fósseis), continuarão as emissões de gases de efeito de estufa; (2) Para se produzir a quantidade de biocombustíveis necessária para manter o actual estado de coisas será necessário recorrer a terrenos agrícolas tradicionais (fazendo diminuir a produção de alimentos, ou seja, fazendo aumentar os seus preços) e a áreas florestais (emitindo quantidades enormes de CO2).

Apesar disso, os biocombustíveis podem ter um papel na resolução dos problemas actuais (refiro-me aos do peak oil e do aquecimento global). Da maneira como a coisa está a ser encaminhada, receio que só contribuirão para os agravar, mas que não se "esqueçam" os biocombustíveis. Que se veja qual o papel que podem desempenhar, considerando os impactos ambientais, económicos e sociais que também têm, infelizmente.

Uma coisa parece certa: o que podemos fazer para tentar minorar, já hoje, os efeitos da emissão de gases de efeito de estufa é aumentar a taxa de sequestro desses gases da atmosfera. Ao que parece, o processo mais eficiente, mais viável e mais barato que temos ao nosso dispôr actualmente é plantar árvores. E esta é que era a ideia que pretendi transmitir com este post.

Saudações
José Amoreira

Milton Lacerda disse...

Há 30 anos o Brasil produz biocombustíveis à partir da cana-de-açúcar. Com grande satisfação, usei um carro movido à álcool durante alguns anos. 70% dos automóveis fabricados no Brasil atualmente são "flex", isto é, tanto podem rodar à base de gasolina ou de álcool. Obviamente, nem todos os países dispõem das condições geográficas deste país e isto gera enorme especulação e boatos destinados a desestimular a utilização do álcool. Esta fonte alternativa é um torpedo contra as grandes distribuidoras de petróleo e é compreensível que reajam negativamente. Uma coisa é certa: Fazer álcool combustível NÃO causa escassez de alimentos. Por outro lado, NÃO iria "acabar" com a floresta Amazônica como disseminam inúmeras fontes suspeitas.

Algarvear a Serra da Estrela? Não, obrigado!