sexta-feira, dezembro 15, 2006

Bom fim de semana

Fotografia (de J.M. Pombo Duarte), cedida pelo amigo José Veloso, do Clube Actividades de Ar Livre (Lisboa), tirada no dia 9 de Dezembro.

O C.A.A.L. regressou este fim de semana à Serra da Estrela, acompanhando um grupo de alunos (48) da Escola Secundária Fernando Namora, da Brandoa (Amadora). Pelo que me disseram, vêm à Serra semear bolotas mas acho que isso não passa de uma desculpa esfarrapada ;).
Sejam bem vindos, tenham um óptimo fim de semana!

Nota posterior: este pessoal semeou 7.500 bolotas. Se as minhas contas estiverem certas, vamos em 18.000 bolotas semeadas e 1200 carvalhos plantados. Se as minhas contas não estiverem certas, os totais ultrapassam estes valores.

(Não conheço pessoalmente nenhuma das pessoas retratadas na fotografia acima, até porque fiquei integrado num grupo diferente. Ou seja, não lhes pedi autorização para usar deste modo a sua imagem. Espero que não se importem que o tenha feito.)

3 comentários:

al cardoso disse...

Pois entao, um bom fim de semana para eles e para voces tambem.

Um abraco fornense.

Anónimo disse...

saudando o espírito e a intenção que preside a estas iniciativas, não deixo de questionar...
plantar com o terreno coberto de neve? e o choque de transplantação de uma planta que estava em tabuleiro e torrão de turfa (provavelmente...) - será que sobrevive?
transportar plantas de helicóptero? valha-me não sei quem, com o dinheiro gasto (no transporte) compravam-se e plantavam-se n vezes mais...
não me parece salutar que a coberto de uma boa intenção se cometam tantas asneiras.
VP

ljma disse...

Caro VP, obrigado pela sua crítica. Decerto sabe do que fala, mais do que eu. Não pertenço à organização do programa "Um milhão de carvalhos para a Serra da Estrela", mas tenho-o apoiado no que posso. Não sendo eu um especialista em silvicultura, a análise que faço de outras experiências de florestação e conversas que tenho tido com especialistas e com os organizadores do programa dão-me coragem para lhe responder. Então cá vai:
(1) é mais fácil para os carvalhos jovens a sobrevivência ao frio do Inverno do que à Seca do Verão. Por isso, parece-me que é o Outono a altura ideal para a plantação de árvores. É nesta altura que as bolotas germinam. O solo estava coberto de neve, mas na semana seguinte ela já tinha derretido;
(2) tanto quanto sei, o helicóptero não foi pago, antes se aproveitaram horas de treino dos pilotos da força aérea num serviço de apoio à comunidade;
(3) os carvalhos não foram comprados, foram oferecidos pelo Parque Natural da Serra da Estrela, que apoia deste modo a iniciativa;
(4) este programa está a ser levado a cabo absolutamente sem ajuda financeira. Os organizadores não têm meios para comprar milhares de carvlhos ou horas de vôo de helicópteros, nem sequer para pagarem o deslocamento das turmas de alunos do secundário que quiserem ajudar nas operações de sementeira ou plantação. Não andam nisto à caça do subsídio;
(5) não se transportam facilmente cerca de duas toneladas de carvalhos por locais de difícil acesso, absolutamente sem estradas e com fortes desníveis;
(6) penso que os organizadores estão disponíveis para considerar todas as sugestões concretas que quiser avançar, a fim de se corrigirem as asneiras que identificar; mas diga concretamente quais são, e diga-o aos organizadores;
(7) o programa não acabou, a avaliação da iniciativa é contínua, na Primavera poderemos já fazer uma primeira estimativa da taxa de sucesso, identificação do que correu mal no terreno e planear a correcção dos métodos que se revelarem errados. Por enquanto, é talvez ainda cedo para falar de asneiras.

Obrigado pela opinião, vá aparecendo!

Algarvear a Serra da Estrela? Não, obrigado!