domingo, outubro 22, 2006

Como se faz lá fora...

Este é o segundo post com este título aqui n'O Cântaro Zangado. O primeiro foi este. Porque é que escolho este título? A verdade é que me estou mais ou menos nas tintas para como se faz lá fora. Não é por os espanhóis, os franceses, os ingleses, os austríacos, os alemães, os suíços, enfim, não é por toda a gente tratar melhor as suas montanhas do que nós tratamos as nossas que resolvi iniciar a escrita deste blog. Faço-o pelas minhas razões. Portanto, não é por isso.
Escolho este título porque, quando se fala do "desenvolvimento" da Serra, há logo quem apareça a dizer que "o nosso país é uma porcaria, os ambientalistas não deixam mexer uma pedra na Serra, assim não avançamos, devíamos pôr os olhos lá fora". Veja-se, por exemplo a discussão que tive aqui n'O Cântaro Zangado, no fim de Maio, a propósito das obras do bikepark, ou as páginas de comentários sobre a estância de esqui.
Sobre o que estes partidários do "desenvolvimento" acham, só tenho a dizer que me parece que a serra da Estrela está muito mais marcada pela acção dos promotores do "desenvolvimento" que eles defendem do que pela dos ambientalistas que tanto criticam e que, ao contrário do que parecem pensar, "lá fora" os ambientalistas também falam, também protestam e são muito mais atentamente escutados do que por cá.

3 comentários:

al cardoso disse...

A finalizar o seu "post" so me resta acrescentar: "Infelizmente por ca nao!"

antonio disse...

Ainda há bem pouco tempo dei uma volta pela Serra, e realmente as estruturas turíticas deixam muito a desejar. em termos de enquadramento paisagistico e não só. Em Portugal o "desenvolvimento", é muitas vezes sinónimo de lucros imediatos não se pensando em termos de futuro.Ñão se aproveitam os recursos que temos, investindo na recuperação do património rural e paisagítico.
Há dias em conversa com um inglês radicado numa aldeia de Portugal há vários anos, ele disse-me que os portugueses não sabem aproveitar os recursos rurais, referindo-se há quantidade de casas rurais em ruínas e que restauradas,serviriam para albergar muitos turistas que na sua maioria procuram a tranquilidade da vida rural.
Mas como continuamos muito atrasados em relação aos outros países, ainda queremos construir hoteis de luxo e piscinas nas zonas rurais e parques naturais!

ljma disse...

Se as coisas por cá são assim, infelizes, a culpa é nossa. Não é (só) dos políticos, nem dos patos-bravos, nem dos "outros". É de cada um de nós, também.
Em contrapartida com a nossa portuguesinha maneira de ser, note-se que em Inglaterra foi recentemente (no início de 2006) aprovada uma lei de regulamento da iluminação exterior (privada e pública), de forma ser respeitado o direito à admiração do céu noturno! Legislação semelhante é já coisa antiga na escandinávia. Por cá, estrelas à noite, só se forem as da telenovela! Nem de propósito, o Pedro Almeida Vieira tem um artigo sobre a nossa versão da protecção da natureza, no seu blog O Estrago da Nação (http://estragodanacao.blogspot.com)
Obrigado pelos comentários

Algarvear a Serra da Estrela? Não, obrigado!