domingo, fevereiro 17, 2008

Isto é normal?

(Fotografia do Máfia da Cova)

O Covão d'Ametade está bem no interior do Parque Natural da Serra da Estrela (PNSE). Integra o Sítio Rede Natura 2000 e a Reserva Biogenética Serra da Estrela. É um local de grande beleza (dos poucos que ainda vão restando), com um bosque de bétulas adultas como não há mais nenhum na Serra da Estrela e como duvido que haja muitos no nosso país.

(Fotografia do Máfia da Cova)

Não sei se terá uma grande importância ecológica, ou se raros valores de biodiversidade tornam justificáveis regulamentos muito restritivos para a sua utilização recreativa. Suponho que não e nesse sentido compreendo que esteja classificado como um núcleo de recreio do PNSE.

(Fotografia do Máfia da Cova)

Por ser um local de rara beleza, por ser facilmente acessível e por ser um núcleo de recreio, poderia (e deveria) ser aproveitado para incentivar práticas ambientalmente correctas de recreação, para a educação ambiental, para a fruição ambiental. Também por isso é um local especial e mereceria portanto ser tratado com cuidado. Neste local, mais do que noutros do PNSE (ou por estarem mais degradados, como a Torre, ou por estarem mais afastados de acessos rodoviários), os impactos das actividades a realizar deveriam ser aferidos também de um ponto de vista da imagem que veiculam do Parque como estrutura do Instituto de Conservação da Natureza e Biodiversidade e até da serra como destino turístico.

Este fim de semana decorreu uma concentração de motociclistas no Covão d'Ametade. O evento foi autorizado pelo PNSE, que colaborou na preparação do local, e foi apoiado pela Câmara Municipal de Manteigas. Os organizadores montaram tendas gigantes aquecidas para servirem como refeitório e espaço de convívio, duches quentes, geradores eléctricos, barraquinhas de comes e bebes e de venda de souvenirs, várias fogueiras e até (!) uma banheira com água aquecida a fogo para "banhos turcos". Algumas motas, carros e carrinhas de apoio entraram pelo Covão adentro, rolando sobre o relvão. Ilustro este post com algumas fotografias, umas "roubadas" no Máfia da Cova, outras enviadas por um amigo.

Algumas perguntas:
De que modo é que este evento serve a função do PNSE? Uma vez que este arraial foi autorizado, passarão também a ser permitidos no Covão d'Ametade festivais de Verão, feiras de artesanato, festas-comício de partidos na rentré pós-estival, lançamentos comerciais de modelos de automóveis? Se não, porque não? Se sim, que sentido faz ainda falar de protecção ambiental? Que imagem é que este evento dá da protecção ambiental na Serra da Estrela? Que imagem dão de si os serviços do PNSE ao autorizarem e colaborarem com a sua organização? Que vantagens vê a autarquia manteiguense, a Junta de Frequesia e o Conselho de Baldios na realização de eventos deste tipo? Que imagem dão de si os responsáveis manteiguenses (concelho com gravíssimos problemas sociais e económicos) ao apoiarem no seu território um evento que quase parece ter sido organizado com a preocupação de minimizar eventuais mais-valias para Manteigas e a sua população?

Por fim, que imagem dão de si os motociclistas, que publicitaram este encontro com "o verdadeiro espírito Motocilista de confraternização aliado às condições mais adversas de viagem e acampamento" (ver o cartaz), tendo em mente, desde o princípio, este tão confortável arraial?

PS: A propósito desta concentração motard, recomendo uma passagem pelo Estrela no seu melhor.

13 comentários:

Daniela Teixeira disse...

As perguntas colocadas neste post são de fácil resposta!
Acho que em termos de respostas, as modas seguem mais ou menos assim:

"De que modo é que este evento serve a função do PNSE?"
Serve alguma coisinha, algum dinheiro entrou em caixa!

"Uma vez que este arraial foi autorizado, passarão também a ser permitidos no Covão d'Ametade festivais de Verão, feiras de artesanato, festas-comício de partidos na rentré pós-estival, lançamentos comerciais de modelos de automóveis?"
Claro! Se derem dinheiro ao PNSE!

"Se não, porque não? Se sim, que sentido faz ainda falar de protecção ambiental?"
Protecção ambiental? Mas quem é que quer falar disso? Dá dinheiro?

"Que imagem é que este evento dá da protecção ambiental na Serra da Estrela? Que imagem dão de si os serviços do PNSE ao autorizarem e colaborarem com a sua organização?"
Vale a pena retomar a resposta à pergunta anterior! Protecção ambiental? Mas quem é que quer falar disso? Dá dinheiro?
Em termos de imagem a maltinha do PNSE até que não fica mal ao lado dos motards! Ficam altamente enquadrados, pelo menos tendo em conta as suas ultimas acções (e/ou a falta delas!)

"Que vantagens vê a autarquia manteiguense, a Junta de Frequesia e o Conselho de Baldios na realização de eventos deste tipo (noto que o restaurante e barracas de comes e bebes eram geridos por empresas de fora do concelho)?"
Vantagens? Dá dinheiro!...a alguém ;)

"Que imagem dão de si os responsáveis manteiguenses (conselho com gravíssimos problemas sociais e económicos) ao apoiarem no seu território um evento que quase parece ter sido organizado com a preocupação de minimizar eventuais mais-valias para Manteigas e a sua população?"
Imagem? Isso dá dinheiro??

"Por fim, que imagem dão de si os motociclistas, que publicitaram este encontro com "o verdadeiro espírito Motocilista de confraternização aliado às condições mais adversas de viagem e acampamento" (ver o cartaz), tendo em mente, desde o princípio, este tão confortável arraial?"
E strip? Houve? Se não houve as condições foram mesmo muito adversas!

Olha! O PNSE continua a constar nos "Links Ambiente"!
Não se enganaram no enquadramento destes? Não deveria estar em "Links anti-ambiente"?

Daniela

TPais disse...

Muito bom comment ao Post Daniela!! Não fosse triste dava uma boa piada. É uma excelente critica social!
Infelizmente o enredo em que a Serra está involvida parece saído de uma peça de trajico-comédia.
Creio que isto só vai lá com posições de união e de força!enquanto forem apenas meia duzia de gatos pingados como nós que rapidamente são apelidados de ambientalistas fundamentalistas a berrar para surdos, dificilmente impediremos o comboio de avançar!
Abç

Tiaguss disse...

Em relação à pergunta "Isto é normal?", infelizmente a resposta é fácil, "Sim, é normal".

Ao que isto chegou ....

Cada vez que me lembro que (à uns anos)o PNSE não ter dado autorização para a realização do Nevestrela no Covão d'Ametade ....

Cada vez que me lembro que (à uns anos)durante uma semana de escalada na serra com uns amigos, ousamos num fim de tarde ir buscar ao carro uma bola de volei e fomos repreendidos pelos responsáveis do Covão d'Ametade que na altura ali passavam o Verão ....

Regras simples que por muito incompreensíveis que fossem, foram cumpridas com o intuito de preservar ... e agora isto ...

Enfim ...

Anónimo disse...

O povo esse abandonado no meio da serra viu-se muitas vezes confrontado e intimidado por senhores de oculos de sol fardados transvestidos em policias e guardas da natureza que não saíam da estrada alcatroada nem limpavam caminhos que passavam multas ao desgraçado que sem apoio nenhum tentava criar melhores condiçoes de habitabilidade e de vida, apoios esses que deveriam ser dados pelo PNatural. e agora onde ficou a prepotencia? acabem com os tachos no PN porque só lá há parasitas e vamos todos trabalhar e unir esforços, somos muitos e revoltados. Unamo-nos.

Um vigilante da natureza que nao usa farda, oculos de sol a passear em jipes oucarros do estado...

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

Normal? No Parque Natural (Virtual) da Serra da Estrela é normal. O exemplo está dado: o Estado demitiu-se da sua obrigação de promover e defender a biodiversidade local, bem como um desenvolvimento sustentável com base num turismo que respeite os valores naturais e humanos desta região.
É tão simples quanto isto: o Estado rendeu-se! Cansado de não conseguir explicar às pessoas quais os benefícios de preservar os valores naturais e culturais, decidiu tornar-se "mais simpático" e dizer "sim" a tudo. Ingénuo, pensa que assim será mais respeitado e as pessoas passarão a olhar com outros olhos para o Parque Natural (virtual) da Serra da Estrela.


Um Parque Natural não existe apenas porque está criado no "papel", porque é definido por leis, porque tem uma "sede" e vários funcionários; quando a direcção desse Parque (e os serviços centrais do ICNB) são incapazes de fazer respeitar os valores que deveriam defender, quando os habitantes locais não se identificam e não respeitam esta estrutura, esta é meramente "virtual". Um Parque Natural não existe se as pessoas não se identificarem com ele, se não o sentirem "como seu" e não lutarem pela sua preservação.

Esta situação é apenas mais uma gota num oceano de alarvidades: dos incêndios florestais (o PNSE é de longe a Área Protegida mais fustigada pelos incêndios no pós-25 de Abril); os planos para mais umas centenas de construções nas Penhas da Saúde (bem como a vontade de gastar dinheiros públicos para legalizar e beneficiar as condições das dezenas de construções de génese ilegal); as estradas que rasgam os locais mais inacessíveis e que não resolvem o problema dos engarrafamentos na Torre, antes atraindo ainda mais gente e um turismo "de passagem"; as pretensões megalómanas de ampliar uma pseudo-estância de esqui a 1900 m de altitude no Sul da Europa; um inenarrável centro comercial com esgostos há um ano a correr a céu aberto; planos para campos de golfe em leito de cheia; estruturas com impactos paisagísticos brutais (como o skyparque) e de retorno financeiro mais que duvidoso; etc.

E qual é o resultado de anos e anos de "turismo do saco de plástico e garrafão"? Uma das regiões mais pobres e despovoadas do país. E a culpa é dos "ambientalistas"? Pois, os "burros" devemos ser nós!

Reafirmo-o as vezes que forem necessárias: é necessário elaborar um dossiê com todos os atropelos à legislação nacional e comunitária em termos de defesa do ambiente e apresentar uma queixa contra o Estado português em Bruxelas. Como escrevi no "Estrela no seu melhor", se se tomou essa decisão em relação à barragem do Sabor, não existirão na Serra da Estrela muitos mais motivos?

Uma acção dessas é cara e está condenada ao insucesso? E depois? Qual é a alternativa? Continuarmos de braços cruzados enquanto assistimos à degradação de uma das Áreas Protegidas mais importantes do nosso país?!

No meio disto tudo, esta concentração é apenas mais uma "anedota"...a mim já nada me surpreende!

ljma disse...

Daniela Teixeira, tens toda a razão. O que não é normal é eu, que já sou crescidinho, ainda manter uma simpatia pela ideia do PNSE e por isso ele permanecer na lista das "Links de Ambiente"...
É teimosia. É ilusão. É sei lá o quê, como aqueles fulanos e fulanas que mantêm relações amorosas que há muito deixaram de ser amorosas, que deixaram sequer de ser satisfatórias, mas que não abandonam por hábito, por medo... Por não quererem enfrentarem os factos.

É tudo verdade mas, seja como for, até ver, aqui no CZ o PNSE vai continuar na lista das links de ambiente.

;)

ljma disse...

Pedro, eu concordo com essa ideia de fazer queixas por via oficial. A ver se a conseguimos amadurecer.

Anónimo disse...

Viva pessoal!

Todos os anos é isto e tem vindo sempre a crescer, qualquer dia o melhor´será cortar asd arvores para haver mais espaço para as motinhas. A culpa não é de quem gosta de andar de mota mas UNICA e EXCLUSIVAMENTE do PNSE...
Já agora uma só pergunta qual será a prespec\tivqa do PNSE para o COVÃO D'AMETADE daqui a... 5 anos... 10 anos? Será que alguém já pensou neste "pequenino" aspecto.

Long Distance

Anónimo disse...

Tenho visto muitos (e bons) blogs sobre a defesa da nossa querida Serra da Estrela.
Nem sempre é fácil falar sobre isto. Os atropelos são muitos e variados. “As montanhas são a nossa gente” diz o provérbio local dos Hazaras, uma minoria étnica que sobrevive na aldeia de Qala-e Sabz, no Afeganistão.
“As montanhas deviam ser a nossa gente, na Serra da estrela”. Será assim tão difícil que as montanhas sejam das pessoas?
Pensem nisso.

Penhas disse...

O ambientalista ao volante do seu Lexus, parou o carro ao ter uma súbita vontade de urinar.
Foi perto da cerca de arame do parque natural e reparou no cartaz sobre a defesa do ambiente. Sorriu, compreendeu perfeitamente e em seguida urinou para dentro de uma garrafa "camping gaz". Contente consigo próprio decidiu contemplar dali a natureza à volta.
Encostou-se à cerca e caiu para o chão carbonizado.
Por lapso alguém havia aumentado a voltagem do arame protector.

in "alternativa2000"

Anónimo disse...

Este Penhas tem um sentido de oportunidade impressionante.
É de uma subtileza comovente.

Paulo Roxo

gabriel disse...

Boa tarde,

Tantas opiniões e nada de novo!

Realmente é uma terrinha de quem nada tem para fazer, como é possivel que cerca de 300 pessoas dêm tanto que falar. É verdade que o Covão é um lucal de excelencia e o resto da Serra não é?
Vou para a Serra da Estrela varias vezes no ano e á muitos anos, é incrivel as Lixeiras a ceu aberto existentes em vários locais da Serra nomeadamente na torre, é verdade que com a neve não se vê, mas no verão não temos a neve a tapar a vergonha que é o principal ponto turistico invernal português.

Incrivel nunca vi um unico comentário vosso!

Em relação ás mais valias para o comercio em manteigas com o evento das motas só devemos falar do que temos conhecimento, a ignurancia não é desculpa.
Não falam das hospedarias que alugaram quartos, não falam das padarias que forneceram pão durante 4 dias, das gasolineiras, dos super-mercados, até do lanhador que forneceu a lenha para as fogueiras que incomodou tanta gente.

Passado cerca de 18 meses do evento das motas, realizaram-se no Covão filmagens para uma curta metragem intitulada como "Um funeral num dia de tempestade" que até sepulturas escavaram, este tipo de evento não danifica o parque, não tiveram conhecimento? não li nada sobre o assunto, onde estavam os defensores do Covão.

Companheiros ainda bem que Portugal tem os governantes que tem, porque se fossem como vocês o que seria de Portugal.

Gabriel, amante da natureza

Fiquem Bem

ljma disse...

Gabriel, bem vindo ao blog.
A sua opinião é também mais uma, dessas que considera "tantas"; acha que ela (a sua opinião) traz muita novidade? Desculpe mas eu acho que nem por isso; seja como for, tem todo o direito a manifestá-la aqui no Cântaro Zangado.

Incrível, mesmo, é que não tenha visto um único comentário nosso sobre o lixo.
Dê mais uma voltinha aqui pelo Cântaro Zangado, só para confirmar que nós não escrevemos sobre o lixo da Torre. Aposto que, em meio minuto de leitura, terá uma surpresa. Para o ajudar, sugiro que vá à coluna do lado direito do blog, desça até às Etiquetas, procure a etiqueta "Lixo" e clique nela. Olhe, ainda mais fácil: clique aqui.

Sobre o Funeral à Chuva, não viu comentários no blog porque só soube mais tarde que tinha sido filmado no Covão d'Ametade e só soube agora, com o seu comentário, que cavaram simulacros de sepulturas. Ainda não vi o filme. Não tinha, antes de ler o seu comentário, a menor consciência de que as filmagens tinham constituído uma agressão grave. Para além disso, as filmagens foram feitas e ficaram feitas. Não serão repetidas todos os anos, como os esquimós [se bem que nos últimos anos se mudaram (e muito bem, até cheguei a sugeri-lo) para o parque de campismo de Valhelhas e no último ano, se não estou em erro, para o do Vale do Rossim].

Companheiro, tem todo o direito a ter a opinião que tem sobre nós, sobre os governantes que Portugal tem tido, sobre o que seria de Portugal se quem o governa fosse como nós (e sobre o que é de Portugal com os governantes que tem tido). Eu também tenho opiniões sobre todos esses assuntos, mas não as considero muito relevantes aqui, dada a natureza e o assunto do blog.

E é claro que é amante da natureza! Não o somos todos?

Cumprimentos e volte sempre!
José Amoreira

Algarvear a Serra da Estrela? Não, obrigado!