sexta-feira, novembro 16, 2007

Sobre o esgoto da Torre,

Deixei no Estrela no seu melhor o seguinte comentário (editei-o agora ligeiramente)
Se eu quiser abrir um centro comercial na Covilhã, alguma instituição pública se oferece para pagar as infraestruturas que a lei me exige?
O que acho mais lamentável nesta história (para além do facto em si, evidentemente) é ver o PNSE pagar a construção de infraestruturas que a lei exige aos promotores. Será que o PNSE é um promotor dos centros comerciais da Torre? Será que vê algum interesse ambiental na sua existência? Não vendo que interesse possa ser esse, acho que quem devia ter pago esta dita "ETAR", eram os comerciantes, a Turistrela, a RTSE, as Câmaras e/ou quem mais considerasse indispensável a existência do centro comercial na Torre. Assim, quem acaba com a batata quente na mão é o organismo que menos vantagens tem a colher com tudo isto, pior: o organismo cuja missão mais dificultada fica pela existência do dito centro comercial, com tudo o que essa existência acarreta (acessos, multidões, lixos, etc)!
Mais do que vontade de o criticar, sinto pena do PNSE, por se ter posto na posição em que está. E pena do ambiente da Serra por ver quem o devia defender, que é o PNSE, a apoiar quem mais o agride, que é o modelo de turismo rasca e massificado em que temos apostado.

2 comentários:

P.R. disse...

É que na verdade (em minha opinião), o Parque Natural da Serra da Estrela como instituição NÃO EXISTE. Senão, como poderia permitir este absoluto "abandalho"? Sem conhecer pessoalmente os responsáveis pelo "Parque" e, dados os acontecimentos dos ultimos tempos, o que transparece é uma total falta de atitude da parte da entidade que supostamente deveria cuidar deste território natural (cada vez menos natural!). Pelos vistos para além de ignorarem muitas coisas ainda vão de mãos dadas com outras aberrações. Até compreendo perfeitamente que não tenham o poder de evitar que as coisas aconteçam (bem sei que o que manda é o dinheiro). O que nunca irei compreender é o aparente silêncio da direcção do parque perante tamanhos atentados. Será que o dinheiro compra até as palavras de protesto? Parece que sim. Então, para quê continuar a intitular-se "Parque natural"? Porque não mudar o nome para, por exemplo: "Parque de diversões da Serra da Estrela?" (diversões para bimbos, claro!). Tenho a impressão que seria uma atitude muito mais coeerente.
Já sei que apoiaram acções importantes como a plantação de árvores e um curto etc. Mas, e o resto? E as aberrações do Covão? E a aberração da Turistrela? E os esgotos a debitarem directamente para as fontes de água mais altas deste País?
Ah, ok... já compreendi. Uma no cravo outra na ferradura.
Está bem. É um Parque português concerteza...
Triste...

Paulo Roxo

ljma disse...

Já não era nada mau que fosse uma no cravo e outra na ferradura...
Bons entalanços em Sta Luzia durante o fim de semana!

José Amoreira

Algarvear a Serra da Estrela? Não, obrigado!