sexta-feira, maio 18, 2007

1ª Caminhada pelo ambiente da Serra da Estrela

No dia 12 de Maio (o passado sábado) teve lugar a 1ª Caminhada pelo ambiente da Serra da Estrela. Quatro grupos (ou sete, num certo sentido que já clarificarei) partiram de diferentes locais, e convergiram na Torre por volta da hora de almoço.

De Alvoco da Serra partiram 10 amigos (vindos de Coimbra, Carregal do Sal, Seia e Gouveia), das Penhas da Saúde oito (do Porto e da Covilhã, eu incluído), do Covão da Ametade sairam nove (da Covilhã e de Manteigas) e da Lagoa Comprida perto de treze, vindos de Lisboa, Porto e Viseu. O quinto grupo era constituido pelos participantes de um encontro de todo o terreno da Lousã, que, nos seus jipes, subiram a Serra mais rápida e confortavelmente (mas, cá para mim, com muito menos gozo). Eram cerca de setenta pessoas. Contámos ainda com a adesão de um grupo (o sexto) de uma escola de Santarém (não sei quantos eram ao certo).

Falando por mim, foi um passeio muito agradável. Saindo das Penhas da Saúde, passando por trás da albufeira da barragem das Penhas, seguimos até aos Piornos e descemos até ao entroncamento da estrada para o Covão do Ferro. Aí, um "motim" entre os participantes obrigou-nos a alterar o trajecto. Em vez de descermos até ao Covão, seguir para o Terroeiro e daí para a Torre como estava previsto, decidimos subir pelo trilho do Espinhaço do Cão até à Nª Srª dos Pastorinhos e aí virar para a Torre.

O Grupo das Penhas da Saúde, no trilho do Espinhaço do Cão.
Quando chegámos à Santa, encontrámos o grupo de praticantes de todo o terreno, que ali estavam recolhendo lixo em quantidades astronómicas. Continuámos a subir até um pequeno covão, a cerca de mil metros da Torre, com um ribeiro completamente entupido com plásticos. As fotografias com que ilustrei o post "A serra, como ela também é" foram aí tiradas. Note-se que não se trata de um local frequentado por turistas, nem pouco mais ou menos. O lixo que ali encontrámos tinha sido arrastado da zona da Torre pela corrente do ribeiro.
Linha de água, situada entre a Torre e a Santa. Num local que, simultaneamente, pertence ao Parque Natural da Serra da Estrela, é Reserva Biogenética e sítio Rede Natura 2000.
Recolhemos todo o lixo que pudéssemos transportar e continuámos a subida, carregados com grandes sacos, pedaços de trenós de plástico e até uma câmara de ar, ainda cheia.

Chegados à Torre, demos com o grupo vindo do Covão da Ametade, que já lá estava à espera. Fomos também recebidos pelo pessoal do Rocha podre e pedra dura (sétimo grupo) que, encontrando-se a escalar no Cântaro Magro, quiseram juntar-se à iniciativa. Tinha toda a lógica, até porque tinham recolhido plásticos de uma via de escalada no Cântaro... É espantoso o que a força das correntes, de água ou de ar, consegue, no que respeita à dispersão de plásticos...
Estava um vento frio e desagradável na Torre e, por essa ou outras razões, nem todos tiveram a paciência ou a resistência para esperar a chegada dos amigos vindos de Alvoco e da Lagoa Comprida, tendo então iniciado o regresso mais cedo do que o previsto. Mas o resto do pessoal lá acabou por chegar, carregados como mulas com o lixo que puderam pôr às costas. Comemos as merendas, tirámos umas fotografias do grupo, e iniciámos a descida.

Os participantes na 1ª Caminhada, ou melhor, o que deles restava à hora da tomada da fotografia.

No regresso não houve motim. Viemos pelo Terroeiro, ou seja, pelo caminho que estava previsto para a subida. Chegados às Penhas da Saúde, tive tempo para beber um fino, despedir-me dos meus companheiros e, logo a seguir, pôr-me a caminho de Manteigas, para assistir ao encerramento da exposição de fotografias (ou talvez seja mais apropriado chamar-lhe exposição de emoções) "Olhares Montanheiros" e para participar no debate que se seguiu.

O lixo que apanhámos foi uma gota no oceano. Já sabíamos que, por muito que fizéssemos, imenso continuaria por fazer. Não é por essa razão que não haverá uma 2ª (ou 3ª, 4ª...) Caminhada pelo ambiente da Serra da Estrela. Mais do que limpar a Serra, pretendemos mostrar que há quem queira a Serra limpa, que há quem espere que os diversos organismos com responsabilidades neste assunto (ambientais ou turísticas) comecem a cumprir as suas obrigações, tomando resoluções concretas no sentido de acabar com esta vergonhosa situação.

Falta apenas dizer que, apesar do lixo, a Serra está fantástica nesta altura, com o amarelo das flores da carqueija e da giesta, com o violeta das da urze, com a folhagem fresca dos carvalhos, das tramazeiras e das bétulas, com o melancólico canto do cuco, com os gritos agrestes dos gaios...

Giestas e urze.
Só percorrendo a pé a Serra nos damos conta da maravilha que aqui temos. Só percorrendo a Serra a pé nos damos conta do mal que a temos tratado. Como diz o biólogo holandês Jan Jensen, a Serra da Estrela é a jóia da coroa das áreas protegidas portuguesas. Para que assim continue, para que o seja cada vez mais, temos que protegê-la, mas protegê-la, mesmo. Por isso, comecemos já a preparar uma 2ª Caminhada pelo Ambiente da Serra da Estrela!

Mais fotografias da caminhada podem ver-se aqui. Se tiver fotos da caminhada que queira partilhar faça-mas chegar, ou então indique-me uma link para um repositório on-line onde as tenha armazenado.

Adenda: A realização da caminhada foi divulgada por diversos órgãos de comunicação social, nomeadamente algumas rádios regionais (peço-lhes perdão por não me lembrar quais), o jornal Diário XXI (veja aqui) e O Interior (aqui). Em contrapartida, que eu saiba, só O Interior fez uma notícia cobrindo o evento. Obrigado a todos os que divulgaram a iniciativa e a'O Interior pela atenção que lhe prestou.

5 comentários:

Pedro n. t. santos disse...

Por acaso não me apercebi da repercussão que a mesma teve (ou não) nos órgãos de comunicação social a nível nacional? Pelo menos no "Público" não me apercebi de nada...Podes acrescentar alguma coisa acerca disso?

Claro que, independentemente disso, estão de parabéns e só espero poder participar de futuro.

Em relação ao lixo, é incalculável a quantidade de detritos que, a partir da Torre, se espalham por outras zonas da Serra...Como português, para além da vergonha e revolta que sinto, a todos vocês que apanharam lixo só tenho uma palavra:OBRIGADO!

Abraço e bom fim-de-semana

ljma disse...

Olá, Pedro.
Pois, eu também não dei por nada, em termos de orgãos de comunicação social nacionais... Foram informados, claro, tal como os regionais.

Eu só leio regularmente o Público e, tal como tu, não dei por nada. Uma pesquisa no site do Correio da Manhã não deu resultados. Não tenho grandes esperaças de ter resultados noutros jornais...

Estava à nossa espera, na Torre, apenas um jornalista, d'O Interior. Pode ser que ele tenha divulgado a sua peça pela Lusa ou outra agência. Se assim for, poderá ainda aparecer nos semanários de amanhã.

A exposição mediática era um objectivo principal desta iniciativa. Temos que organizar este aspecto melhor, na próxima vez...

Abraço, bom fim de semana.

fernando_vilarinho disse...

Parabéns pela meritória e quase singular iniciativa que li com agrado os pormenores e correu bastante bem.
Essa parte de não existirem noticias posteriores é normal nas caminhadas em Portugal.
Para mudar isso vocês deviam fazer/ter feito um texto (aliás dois textos: um maior e outro + resumido),com algumas fotos, sobre a caminhada que enviavam aos diversos jornais, e muitos deles publicariam. A maior parte dos jornais quer a papinha já feita e andar a subir e descer serras, ao frio, não é muito com os jornalistas.
No jornal "Noticias da Manhã" fala sobre a caminhada de modo resumido.

Gostaria de tb reportar no meu blogue de Pedestrianismoo a caminhada, mas vou ter que resumir um pouco o texto.

al cardoso disse...

Estao de parabens os orgamizadores e participantes, se houve-se muita mais gente como voces o nosso lindo Portugal seria muito mais bonito e saudavel.

Um abraco de longe a pensar na nossa Serra.

ljma disse...

Al Cardoso, obrigado pelas suas palavras. Um abraço também!

Fernando Vilarinho, fico contente por teres decidido não descontinuar o Pedestrianismo. Resume à vontade o nosso artigo. Obrigado pelas dicas. Da próxima vez, também esse aspecto da cobertura mediática correrá melhor.

Algarvear a Serra da Estrela? Não, obrigado!