segunda-feira, dezembro 18, 2006

A rota do Cares

Porção inicial (do lado norte) da Ruta del Cares. Encontrei-a, com o Google, em www.argo.es/~jcea/pics/cares2005/index.htm.
A rota do Cares é um trilho que atravessa transversalmente os Picos da Europa entre as localidades de Poncebos (Astúrias) e Caín (Leon), com cerca de doze quilómetros de extensão. É uma das principais atracções turísticas da região dos Picos da Europa. Só pode ser percorrido a pé ou de bicicleta, tanto quanto sei.
Há quinze anos, quando lá estive, os que decidiam percorrer o trilho tinham que resolver o problema do regresso ao ponto de partida, onde eventualmente teriam montado o "estaminé". Muitos (eu, por exemplo) optavam pela solução mais simples de ir e vir no mesmo dia. Outros, com maior capacidade logística, contratavam pessoalmente serviços para o retorno por transporte rodoviário, circundando o maciço montanhoso.
Isto era assim há 15 anos. Como é agora? Actualmente, os visitantes dispõem de serviços de transporte turístico, oferecidos por várias empresas a que podem recorrer. Tudo o que há a fazer é combinar com uma destas empresas os detalhes do passeio que se pretende (essencialmente o horário e local da recolha, mas pode também acrescentar-se transporte do alojamento para o ponto de início da caminhada, por exemplo), pagar, e pronto. O serviço não se limita ao transporte, já que ao longo do percurso rodoviário podem ser visitados (em visitas guiadas) vários pontos de interesse histórico, natural ou paisagístico.
A isto eu chamo progresso e um modo razoável de desenvolver o turismo. Este tipo de desenvolvimento vive dos atractivos naturais da região e gera empregos para pessoas com diferentes habilitações, em diferentes localidades, em diferentes áreas de actividade.

E nós, por cá?
Na Serra da Estrela, maravilhas comparáveis são asfaltadas (veja-se a Estrada de São Bento entre a Portela do Arão e a Lagoa Comprida) ou planeia-se a sua asfaltação (veja-se o acesso Unhais da Serra - Nave de Sto António, ou a Estrada Verde, entre a Guarda e o maciço central, com que se pretende "beneficiar" o trilho de Grande Rota GRT1 na zona do Alto Mondego).
Aproveitar as maravilhas naturais para desenvolvimento de negócios? Não, credo! Asfaltemo-las (ou melhor: o estado que as asfalte) todas para permitir aos turistas, com toda a comodidade, passar por elas sem as notar, passar por elas rapidamente, passar por elas deixando na região pouco mais que nenhuma riqueza!
E nós por cá? Vamos vendendo uns queijos, artesanato de fancaria... E a isto vamos chamando desenvolvimento do turismo, progresso, ordenação, requalificação, importantes medidas contra a desertificação.
Até quando?

5 comentários:

Gaspar, Nuno disse...

Sem dúvida que estamos perante, turismo de grande qualidade. Apelido-o de turismo limpo, onde o simples facto de caminharmos é por si só um prazer. O (senderismo) em castelhano, seria o ideal para a nossa Serra da Estrela, (dada a quantidade de neve que ela apresenta actualmente) mas enfim… a entidade que explora o turismo na serra, vulgo (turistrela) só vê neve, esse ouro branco.
Conheço bem a zona que descreve e posso dizer-lhe que é uma das zonas mais lindas da nossa península. Acomodem-se por exemplo em Cangas de Onís e vejam a quantidade de pequenas empresas/ lojas que organizam passeios de todo o tipo pela região. Obviamente que quem para aqui se desloca com o propósito de efectuar caminhadas, tem que pernoitar por cá, com os inúmeros benefícios que isto traz à região, economicamente falando. Em qualquer posto de turismo têm mapas com os percursos pedestres devidamente assinalados incluindo o da foto que já tive o prazer de efectuar até perto do meio. Não esquecer de visitar Covadonga, local de onde partiu a reconquista cristã.
Melhores cumprimentos,
Nuno Gaspar
http://milrotas.blogspot.com/

Filipe disse...

Ola, eu faço parte de um grupo de escuteiros e o meu agrupamento está a pensar acampar nos picos da europa. Sabiam me dizer locais a vistitar ou mm locais onde poderiamos ficar acampados, toda a ajuda era bem vinda.

Aguardo Resposta .... Cumprimentos.

ljma disse...

Filipe, respondo aqui porque não sei como contactá-lo pessoalmente.

Quando estive nos Picos da Europa (já foi há mais de dez anos, muita coisa deve ter mudado desde então), acampei em Cangas de Oniz, que me pareceu a melhor escolha.
Perto de Cangas de Oniz encontram a catedral (gótiga, se não me engano) de Covadonga e a zona dos Lagos, de onde saem vários trilhos que percorrem as zonas elevadas dos Picos, mas sobre eles será mais fácil obter informação e mapas quando lá chegarem.
Uma pesquisa no Google fornece mais informação.
Saudações e boas férias!

Grupo disse...

Obrigado pela informação.
Tenho feito imensa pesquisa no google.
Mas é sempre diferente saber a opinião de quem lá esteve, para saber o que posso encontrar ou não e decidir os melhores locais a visitar e estar.

Obrigado

Anónimo disse...

Ola filipe

sou dirigente de um grupo de escuteiros que vai aos picos da europa pela segunda vez em março deste ano alem de muitas visitas que já fiz a nivel pessoal.
deixo-te o meu contacto para se quiseres ter mais informações
pioneiros@agr408.cne-escutismo.pt

fortes canhotas

Algarvear a Serra da Estrela? Não, obrigado!