quinta-feira, dezembro 28, 2006

Les uns et les autres

Vale da Candieira
Vale da Candieira, visto do Cântaro Gordo

"Choquei" há dias com um livro de Peter Singer, "Ética Prática", onde se discutem numa perspectiva ética questões que devem ser decididas sem uma base factual. Um dos problemas que o autor nos coloca é o da conservação da natureza. Peter Singer, sendo catedrático de filosofia em Princeton, não tem propriamente credenciais como ambientalista ou como anti-ambientalista(*). Mas ele considera que quando há razões factuais que apoiam duas tomadas de posição antagónicas, pode haver vantagens em analisar o assunto nos termos da filosofia, nos termos da ética. É difícil discordar desta opinião, filosoficamente tão humilde.

Sobre a protecção do ambiente, Peter Singer diz coisas que são quase triviais, coisas que são do mais elementar bom-senso, por exemplo:

  • que a natureza selvagem tem um valor importante para muitas pessoas que a apreciam, seja por razões de lazer, seja por razões estéticas, seja por razões desportivas, e que esse valor é cada vez maior porque são cada vez mais raras as áreas onde ainda se pode usufruir de um ambiente preservado;
  • que os impactos que causamos agora, urbanizando as áreas naturais, transformando em pastos uma porção de floresta antiga, inundando vales com a construção de barragens, podem traduzir-se em vantagens imediatas, mas não conhecemos todas as suas consequências futuras;
  • que nada nos garante que as gerações futuras nos agradeçam por todos os "desenvolvimentos" que patrocinamos (aliás, tudo aponta no sentido oposto: quem é que está grato pelo esvaziamento do mar de Aral, pela destruição da Amazónia, pela muito provável extinção a médio prazo do atum e do bacalhau ou pela urbanização selvagem e galopante no nosso país?).
Enfim, nada que não tenhamos já ouvido.

Eu gostava de destacar o primeiro argumento que aqui referi: há pessoas para quem o contacto com a natureza no seu estado natural é muito importante.
Claro que também há pessoas que o que querem é barzinhos com refrescos, música ambiente, "muita, muita animação" e estradas para chegarem rápida e confortavelmente a essa "animação" (e rápida e confortavelmente se pirarem para outra).
Eu não percebo é porque é que estes são considerados "turistas" e aqueles "fundamentalistas do ambiente".

(*) Por qualquer razão, ninguém se auto-intitula anti-ambientalista, nem mesmo aqueles que gritam "Fundamentalismo!" sempre que ouvem alguém defender a protecção do ambiente...

6 comentários:

Pereira disse...

Acabei de ver na televisão a entrevista a Artur Pais, da Turistrela, na Serra da Estrela, em directo, seguido de entrevista ao Director do ICN (28DEZ06 13:50).
Reconheço que "tive de me conter". Ainda estou num estádio de reação primária com o desplante desta pessoa que é capaz de afirmações, do tipo de se querer comparar às estações de Ski da Serra de Béjar.
Um desplante de fazer querer aos portugueses que o ouvem que são dois ou três tecnicos do PNSE que entravam o futuro das gentes da Serra e que precisa "urgentemente" de substituir os equipamentos de "remonte" e que o Parque exige planos de impacto.
Ou este blog Zangado me enganou muito bem ou o que entendi dos posts é que não é bem uma simples substituição que se pretende, mas sim um "acrescento" de meios mecânicos.
Seja como for gostaria de perceber como estes "excelentes" e "beneficiosos" projectos poderão agradar, aos que como eu sempre subiram a partir de Loriga, pelo Covão da Areia e Fraga do Padre Nosso para chegar à zona dos Covões e deparar com um carrada de ferralharia a invadir a paisagem. Uma vedação através da qual eu não consigo passar nem sentir as maravilhas do progresso (a menos que pague muito).
Apenas sinto a Opressão da privatização egoísta dos espaços naturais...
Quando é para apelar à preservação dos espaços naturais é para todos. Quando é para usufruir calha só a alguns poucos (€) e geralmente os que pior o fazem.
...nem quero pensar muito nisso senão ainda me lembro que dinheiro dos meus impostos foi posto ali... ainda parto o teclado (e olhem que estou a teclar "forte").
De todas as vezes que ali passei não restam sinais. Quantos podem dizer o mesmo?
Paguei alimentação na zona? paguei.
Abasteci o carro nas gasolineiras de Seia? Sim.
Recorri à oferta de alojamento "turístico"? Muito pontualmente.
Por estes meus pecados de ser um "consumidor subaproveitado" vou ter de tropeçar para o resto dos meus dias com todos os casebres e estaleiros de obras que um usurário me impõe.
Eu é que estou mal. Não uso "forfaits" Não uso hóteis. Não uso os parques de estacionamento nem vou às festas da turistrela... sou mau freguês!
O que mais me ofende é o tom do "porta-voz" da turistrela se presumir interprete das expectativas dos clientes e das populações.
Apesar de ser um "directo televisivo" cheio de falhas técnicas a nível do som, ressoa o sentimento de coitadinhos dos que querem edificar a Estrela.
Será que toda a gente percebeu claramente das suas palavras é que se trata de um cidadão que quer ser mais que os outros. "dispensando-se" o cumprimento das regras?
Será que alguém se apercebe que este homem é o retrato autentico da glutonia económica?
Será que o país é capaz de aprender liçoes a partir dos erros dos outros para não cair nestas asneiradas?
Posso ter "faltado a algumas aulas" mas não vejo no que é que a minha forma de usufruto da Serra impeça os outros de prosseguir com a sua forma de susufruir. Já o contrário é por demais evidente que colide com a minha ideia de contacto com a natureza.
Porque é que não fazem um "Ski Dubai" lá para as bandas de Vilar Formoso. assim apanhavam clientes de todos os lados e "reforçavam" a economia do interior?
Há pessoas que encaram a vida e o mundo como um jogo de computador, com hipótese de salvar e jogo e recomeçar onde a coisa descanbou. Isto não é um simulador para brincar. Serra da Estrela há só uma. "Se" estas "apostas" derem mau resultado como é que se faz restart?
Perdão pela extensão do texto. como disse, isto ainda é "a quente" da entrevista que presenciei. Grave entrevista com graves prenúncios.

ljma disse...

Pereira, obrigado pelo desabafo. Eu não vi esse directo (fui escalar para o Penedo Barroco), mas pedi a um amigo que mo gravasse.
Quanto à possibilidade deste Cântaro te ter enganado, não é possibilidade que se descarte. Mas se o fiz não foi propositadamente. Eu só falo do que vou lendo nos jornais...

TPais disse...

Caro Pereira,
compreendo e partilho a sua consternação e desespero perante as declarações de Costa Pais e companhia!A verdade é que não é a primeira vez que profere este tipo de insinuações (assim como Jorge Patrão) utilizando uma táctica de desinformação da opinião publica para virar as hipoteses a seu favor.
No que diz respeito aos projectos da estancia de esqui tambem aqui a desinformação e propaganda é muita. No entanto, do meu conhecimento, os projectos contemplados no PITER contemplam "apenas" intervenções dentro do perimetro actual da estancia (Agora qual é este perimetro ao certo, ainda está por saber). Dentro destas intervenções não estão apenas as "substituições" dos antigos teleskis por outros novos no mesmo local mas sim o reposicionamento de alguns, a instalação de mais meios mecanicos, terraplanagens para maximizar a área esquiavel assim como edificios de apoio! Ou seja, o Estudo de impacte ambiental torna-se "obrigatório", mas dependerá do PNSE exigir este estudo.
Isto é a primeira fase de "melhoramento" da estancia e a que neste momento tem mais hipoteses de realmente avançar. A 2ª fase será posterior e essa sim pretende aumentar o perimetro da estancia para todos os pontos cardeais, leia-se Alvoco, Loriga (nos covões) e Unhais (Covão do Ferro)alem da instalação dos teleféricos desde os Piornos e Lagoa Comprida! Este ultimo projecto é justificado pela necessidade de garantir o acesso à estancia em quaisquer condições!?!Veja-se o disparate!Mas então a actual pequena Telecadeira da estancia já tem dificuldades em funcionar (devido ao vento) e esperam que uma outra (semelhante à da EXPO98) com maior longitude e maior exposição funcione em condições adversas?!Mais, quem conhece o topo da serra com mau tempo a sério, sabe que não é lugar para se estar a fazer ski ou outra coisa qualquer, mesmo que lá se chegue. E então se a malta conseguir subir no hipotético teleférico e depois já não conseguir descer!?
É todo este tipo de desinformação que a Turistrela/RTSE tem utilizado para convencer tudo e todos da necessidade de ancorar o desenvolvimento da região nos seus projectos megalomanos e em particular no turismo do esqui que a curto prazo está condenado a desaparecer.
Eu devo dizer que o que mais me incomoda é estes senhores pensarem que são mais espertos que os outros e que enganam todos com o seu discurso!
Já reparou que na entrevista a Jorge Patrão, este metia sempre que podia a expressão "protecção ambiental"??!E pasmei ao ouvi-lo dizer que estes investimentos serviam para isto mesmo...PROTEGER O AMBIENTE!!!Se não fosse para chorar até ria.
Esta pretensa evolução no seu discuro, assim como no de Artur Costa Pais, tem como origem (creio eu) as criticas feitas pela Plataforma pelo Desenvolvimento Sustentável na Serra da Estrela (PDSSE) criada recentemente com o objectivo de mudar o rumo actual do "desenvolvimento" na Serra, apoiar as populações e impedir a concretização de projectos ostensivamente alheios às preocupações ambientais que uma zona destas caracteristicas obriga.
Tenho que esperança que as coisas possam evoluir de forma oposta à actualmente pretendida por Costa Pais e Jorge Patrão, ainda tenho alguma confiança que com o devido apoio o PNSE consiga defender a Serra por isso tenho esperança que a nossa Serra não seja completamente adulterada. Só assim poderemos efectivamente lutar por ela.
Pereira, mais uma vez obrigado pelo seu contributo. Apareça sempre
TPais

Cova Juliana disse...

Alguem se lembra do que sucedeu em Lisboa quando queriam fazer a barragem em Foz Coa e "afogar" as gravuras?

Campismo em frente aos Jerónimos...

Será que não se deveria de tomar alguma medida do género para abrir os olhos aos portugueses em relação ao que estes senhores querem fazer na Serra?!

Se se fizer algo do género eu lá estarei a montar a barraca para defesa da nossa Serra!

Quanto a mim há que começar a pensar em medidas mais drásticas, porque com falinhas mansas não seremos capazes de derrotar estes abutres que o que querem é apenas os €s e estão a borrifar-se para a Serra!

ps: desculpem se fui algo rude, mas começo a saturar-me com tanta estupidez. E o que me irrita mais é a comunicação social dar direito de antena a esta gente e não dar sequer um segundo a quem defenda o contrario do que querem fazer estes senhores

ljma disse...

É uma ideia, Cova Juliana, é uma ideia...

famel disse...

Vou puxar pelos neuronios e encontrar 1 ideia ainda + forte!

Algarvear a Serra da Estrela? Não, obrigado!